Like us on Facebook

Sunday, August 30, 2009

On A Revolution in a Kiss

Photo: Mauro Paim



The Redenção Park in Porto Alegre, a meeting point for many on sunny Sundays, was today the stage for the Brazilian League of Lesbians who took their fight to the streets to bring awareness to their cause.

On their agenda: more visibility and political inclusiveness for women; a new society free from all prejudice and respectful to diversity and people’s sexual orientation; an end to violence against women and more down-to-earth demands like medicines for sick inmates at the local women’s detention center.

The same park was the backdrop for this year’s mini gay pride parade, named Disobey! which took place in June.

Many couples danced to Brazilian music and exchanged affectionate kisses. Bystanders, gay and straight, long used to watching scenes like this, joined  in the action and sambaed away to Nilce's superb performance popular Brazilian hits.

Porto Alegre is now famous for its gay-friendly atmosphere and proud of its many achievements regarding gay rights.

On Violence Against Blacks/Sobre Violencia Contra Negros

We’ve been reminded yet again that blacks in Brazil have their work cut out for them and that they still have a tough row to hoe when it comes to human rights. A black man as president of the most powerful country in the world is no guarantee that those born with an excess of melanin will all of a sudden be walking streets paved with gold. No, Siree, they won’t. Not because they don’t want to. Because some people don’t want them to. Especially some youngsters with nothing better to do and who call themselves skinheads (neo-nazis?) have taken to attacking “people of color” for no apparent reason other than their being black. Neo-nazis you say? Skin-heads? In Brazil? At least they think they are. Not on hitlerian terms, though. Or is it? We now know that genetics has completely debunked Hitler’s claims of racial purity by saying that we are all the same underneath. Something does not add up here. If you wanted to be a skinhead or whatever, should you not be born of racial stock originating in northern Europe? You be the judge.

Somos lembrados de novo que negros no Brasil têm uma baita estrada para seguir e muito trabalho pela frente no que diz respeito aos direitos humanos. Um negro como presidente da nação mais poderosa do mundo não é garantia que quem nasce com excesso de melanina vai, de repente, andar em estradas douradas. De jeito nenhum, não vai! Não porque não querem. Outros não o querem. Especialmente alguns jovens sem nada para fazer e que se chamam de skinheads (neo-nazistas?) começaram a atacar pessoas de cor por nenhuma razão aparente senão a de serem negros. Neo-nazistas? No Brasil? Pelo menos ele se acham. Não em termos hitlerianos, todavia. Espera aí, talvez seja. Sabemos hoje em dia que a genética derrubou os argumentos de Hitler sobre pureza racial, ao dizer que somos todos o mesmo por baixo. Alguma coisa não está certa aqui. Se você tiver pretensões de ser skin isso skin aquilo, você não deveria ser de um pool genético norte-europeu? Você é o juiz.

Saturday, August 29, 2009

The Clock is Ticking - Be Green in Copenhagen

The Clock is ticking…

On Saturday, August 29, with the sun beating down on lake Guaíba and people enjoying their day walking and exercising a long its margin, the Gasômetro building, a cultural center sitting majestically on its shore, was the host for the launching of the Campaign Against Climate Change. The campaign which is taking place nationwide and which is organized by groups like the AVAAZ.ORG, The World Wide Fund and Greenpeace aims to bring awareness to global warming and to change the way current policies are made when it comes to Climate Change. Attendees and passers-by were encouraged to sign a petition and an outsized banner both of which will be taken to the Brazilian Congress.

Also, campaigners hope leaders at the United Nations sign a real and effective treaty with legal responsibility and real goals that can be monitored and hopefully be accomplished at the next Climate Change Summit, to be held in Copenhagen, Denmark, on December 7th - 18th this year.

The lake itself which has just been the subject of a referendum in that people were asked to vote Yes or No for real estate development on its margins, seems a like a fitting backdrop for climate change discussions. Natives of Porto Alegre voted and gave the motion a resounding NO!

Now, as for the future of the Earth and its climate, only time will tell.

On Violence Against Gays/ Sobre Violencia contra Gays


Homophobic attacks are not mythological. They are real and they they happen every day in big cities and in small ones all over the world. In Brazil, however, they are alarmingly common. According to one official in Rio, Cláudio Nascimento, over the last decade, 3 thousand homosexuals have been murdered and 64% of them have been victims of violence and that includes gay men and women, bisexuals, transvestites and transsexuals. Many countries around the world have their hands dirty with the blood of people who have been killed simply because they are not the conventional mold. What is conventional? Does anybody know?

Ilustração: Fabiano Spadari

Sunday, August 23, 2009

On Violence Against Women/Sobre Violência Contra As Mulheres


Women, love them or hate them. I love them. As the previous post will attest. Not so, apparently, do some disgruntled males in the US. If violence perpetraded against women is the plat du jour in the daily servings of the American media, one is led to think that there is something wrong with north-american men. Women are not just shot, clubbed or hacked to death but their remains are stuffed in suitcases and thrown into dumpsters. Not to mention babies that are ripped from their wombs as they lie dead. Now there is something to be said about a pattern that has been developing for a long time. Worrisome. One would have thought that in a supposedly advanced society anger and its corollaries would be a thing of the past. No way! It is very today and it may be happening as we write. Girls, do something to protect yourselves. And if we cast our attention to the Middle East, we read (and watch) that women are literally disfigured by acid thrown on their faces by suitors who may have been rejected. Meanwhile, in the world, things are happening all in the name of some power or some money or some other agenda. Heavens, guide us.

Mulheres, ame-as ou deixe-as. Eu as amo. Até escrevo sobre elas. Não é o caso, pelo que se vê, nos EUA. Mulheres padecem nas mãos de alguns machos com algum problema. Se o que consumimos da mídia americana servir de guia, poderemos pensar que há algo de errado com o homem americano, sim. As mulheres não só são fatiadas, mortas à tiro ou à bordoadas, mas seus despojos são enfiados numa mala e jogados num lixeiro. Sem mencionarmos bebês que são arrancados de seus úteros enquanto agonizam. É um padrão que vem se desenvolvendo. É preocupante. Acharíamos que numa sociedade supostamente avançada a raiva e suas manifestações seriam uma coisa do passado. De jeito nenhum! É bem atual e pode estar acontecendo agorinha. Meninas, façam algo para se protegerem. Ainda, se olharmos par a Oriente Médio, lá as mulheres são desfiguradas por ácido jogado em suas faces por algum homem rejeitado ou algo assim. Enquanto isso, no mundo, coisas acontecem no nome de algum poder, algum dinheiro ou algum outro motivo. Que os Céus nos guiem!

Saturday, August 22, 2009

Women in English Literature

What was the role of women in English literature? Is there anything in their lives that might teach us a lesson? What is it that made a handful of them famous beyond the narrow borders of a book?

Women have come a long way from King Arthur’s Court to James Joyce’s Dublin in the early 20th century. Here, I propose a fresh look at the shameless heroines, and quite often, depending on whom you ask, brazenfaced denizens of our beloved novels.

Casting our minds back to medieval literature, Beowulf, for example, we will find that men were apparently not very interested in women and their deeds. They were however very much bent on slashing monsters out of shape and in their busy, hectic, violent lives which were spent in mead-halls most of the time. We have no evidence of their devoting their time to the ladies which, we can only infer, were chattel to Beowulf and to his fellow warriors. Greek classics, anyone?

Times have changed and we see women in positions of power and cutting a swath in the world. There were times, we know, that they were mere appendages and just sat pretty beside their husbands on various thrones throughout history. Literature has portrayed that faithfully. Let us go now way back in history to learn of remarkable women that have populated unforgettable novels.

From the Arthurian Legends, we read of two strong-willed women who changed their world: Guinevere and Morgan le Fay. These two women left a mark in their society in that they dared to think out of the box and had the power to change their societies. In a time when people were expected to live under strict codes of conduct, Guinevere dared to have a thing going with a gallant warrior-knight called Lancelot. Their love affair sent shivers running down everyone’s spines at the time. Sadly, their dalliance led to the kingdom’s downfall. Is this a warning to women?

Morgan le Fay, Guinevere’s sister-in-law, was half-sister to King Arthur. A powerful sorceress, also known as Morgana, which some say had a child with her half-brother, may, to some feminists of the 20th century, be some sort of symbol of the female power or bear a trace of Celt spirituality and be seen as a benevolent figure with extraordinary healing powers. Read the cycles of Arthurian Legends and be the judge.
s
Moving further towards the future in our timeline, "The Wife of Bath", in Jeffrey Chaucer’s Canterbury Tales in the 14th century, is no doubt the woman of the future. Surely she was the odd gal out in that period of the literature. With five husbands under her belt, she was the epitome of the modern, unshackled woman of today. Why can’t you look for happiness with the next guy? Alyson, you rocked, girl! The one in charge.

The Bronte sisters produced veritable paragons of virtue and good sense (if you can call it that) who ever inhabited the pages of romantic literature. The good thing in these women is that they possess that most intriguing of abilities: they think.

Thinking becomes then the thing to do and it is because of their imaginations and self-talk that Catherine (Earnshaw) Linton in Wuthering Heights; Elizabeth Bennet, In Pride and Prejudice; Anne Elliot, in Persuasion and the rebellious Jane Eyre, by Jane Austen, all wreaked havoc in that good ol’ England because the put their foot down, said they wouldn’t do it, and they all ended up married with a very good catch. They might have entered a contest to see which one of her husbands looked better in breeches. There is no record of that, however. How's that for rebellion?

These women are heroines. Through them, many women accomplished the impossible in the strict, victorian society they found themselves. Their role: to give their men a leg up in the world of colonization and imperial expansion in all corners of the Earth. Is this tiresome? There's more.

Leaping across the Irish Sea to Ireland, we will find Molly Bloom in James Joyce's Ulysses. In the modernist work, she is the arch- adulteress - her husband thinks she is. Although, in her own words, we see no recollection of such an extensive list of romantic link-ups. She is, nonetheless, a goddess lying in her bed being served breakfast by her husband all the while knowing that she will put the horns on him that very afternoon.

However, still in Ulysses, little does Molly know that slightly after she accomplishes her liaison with her lover, her very husband, wandering through the streets of Dublin, will set his sights on a most lovely girl – a real Irish beauty - Gertie McDowell. Unlike Molly, Gertie (Dirty Gertie?) will do things to Molly’s husband that will make him reach Heavens without moving and inch, or rather, he moves inches, O, when he decides to play with himself right then and there at the beach where Gertie and some of her girlfriends were babysitting their younger siblings. Incredible scene!

The women listed above have leapt out of pages into our imaginations to set them on fire. We are left with the decision of what to do now that we have taken a peek at their thoughts and been allowed into their hallowed secrets. The best that can be inferred from reading these novels is the picture-perfect look we have of times gone by and wish that women come into their own yet with more vigor and allure to make our world a better place, for Molly herself said just that. You are right Molly!

Monday, August 17, 2009

Sobre Traduções/On Translations


Perguntam-me se faço traduções. Não. E por que você traduz os seus textos? Eu não traduzo. Eu faço uma versão em inglês. Às vezes, sai igual e muitas vezes eu não consigo verbalizar o que estou dizendo em português. Ambas as línguas são cheias de sutilezas lexicais que torna a tradução de um idioma para outro sem graça. Tipo novela mexicana dublada, sabe? Então. Não faço porque não sei fazer. Meus colegas me contam que existe técnicas para traduzir e passaram anos estudando para fazê-lo. Vou listá-los aqui nesta postagem tão logo entre em contato com eles. Se você tiver interesse poderá contatá-los.

I am often asked if I do translations. No, I don't. But you translate your texts? No, I don't translate them. I make a version in English. Sometimes, I am successful at a particular piece and sometimes I cannot articulate what I am saying in Portuguese, for example. Both languages are full of pitfalls, a huge number of synonyms and each word has a special place in the train of thought. My co-students tell me that there are techniques that have to be applied when translating. They spend years studying them. I will post their addresses here as soon as feasible. If you are interested in translations, feel free to get in touch with them.

Name: Anelise Burmeister
Skills: Port-Engl, Engl-Port, Medicine, Dentistry
Contact: aneburmeister@terra.com.br

Sunday, August 16, 2009

A Angústia de Nascer no Corpo Errado

Aviso: Sei que muitos leem este artigo escrito há anos atrás. É o mais popular. Não esqueça de deixar seu comentário com suas opiniões e/ou dúvidas para que eu possa pesquisar mais. Os números do PROTIG de Porto Alegre são de 2009.



“A vida de uma transsexual é muito difícil. A dificuldade vem desde que a gente nasce. Quando a gente começa a crescer e ter a noção das coisas é que começa a complicar a vida. Desde criança eu achava que eu era menina. Eu tinha essa sensação e era uma coisa natura minha. Talvez eu tenha motivo, porque eu sou a irmã mais nova de três mulheres. Algumas pessoas acreditavam que era influência disso. Só que quando eu cresci, fiquei adolescente, eu comecei a perceber a sexualidade. Quando a gente é criança a gente não tem noção disso. Na realidade a gente tem essência e a minha Essência era feminina. Aí começaram os problemas. Eu não era menino e não era menina. Eu não aceitava aquele órgão sexual no meu das pernas. Com doze anos, sozinha, fui visitar um médico e pedi receita para hormônio. Ele não quis me dar, mas mesmo assim, eu fui comprar e comecei a tomar. Daí começaram os problemas. Meus seios começaram a crescer e meus problemas começaram...” Vivian Proença.

É problemático. Todo mundo passa por preconceito, passa por diminuição da sua condição. Através de muitas lutas, até comigo mesma até para descobrir quem eu era. A princípio, a gente vem e fica com aquela indefinição: quem eu sou? O que eu sou? O que eu estou fazendo aqui? Quando a gente começa a se entender, a gente começa a fazer a procura. Quando eu comecei a me entender como transexual, quando ouve a oportunidade, eu fui procurar o tratamento ideal que era a cirurgia. Tive que aguardar três anos. Até quem 22 de Janeiro de 2002 eu fiz a cirurgia...” Fernanda Rodrigues

Eu sou uma transsexual operada. Desde criança sempre com um sonho de me tornar mulher, não só de alma, mas também de corpo, pra então ser um só. Cresci com os desejos e sentimentos de mulher, mas com algo que não atrapalhava muito meus relacionamentos. Sempre fui frustrada por causa de algo que me incomodava muito, era vergonhoso ter algo que não gostava. Não participava de uma piscina. Me reprimia muito”. Roberta Sampaio.

Os três depoimentos são síntese do sofrimento por que passam as pessoas que nascem com Transtorno de Identidade de Gênero, também conhecido como transsexualismo. Os indivíduos que nascem com essa condição só encontram a paz de espírito depois que passam por uma cirurgia difícil, dolorida e cheia de riscos. O desafio maior é transformar um pênis em uma vagina que funcione e pareça como uma vagina normal.

Segundo a médica psiquiatra Maria Inês Lobato, que faz parte da equipe multidisciplinar do Programa de Atendimento dos Transtornos de Identidade de Gênero (PROTIG) do Hospital de Clinicas de Porto Alegre: “A alteração dos órgãos genitais masculinos, de natureza irrevogável, não pode ser feito ao primeiro sinal de desconforto. A solicitação da cirurgia pelo paciente pode ser apresentada ao médico de maneira impressiva; contudo, antes de consentir, o cirurgião tem de estar seguro que não está lidando com devaneios eróticos de uma personalidade imatura, mas com uma convicção honesta obtida após longa e madura consideração. Uma avaliação psiquiátrica deve preceder tais procedimentos cirúrgicos para verificar a possível existência de uma psicose (que pode ou não ser uma contra-indicação à cirurgia), mas também um grau razoável de inteligência e estabilidade emocional. É o médico psiquiatra que dá a palavra final que não existe uma outra maneira de ajudar o paciente a encontrar satisfação consigo mesmo”.

A ciência diz que o transsexualismo é um transtorno de identidade de gênero que tem início na infância e se caracteriza por uma insatisfação e angústia com relação ao sexo de nascimento. O individuo tem um desejo de mudar seu sexo aparente e uma permanente busca de jogos, vestimentas, padrões de relacionamento e ocupação profissional com os indivíduos do sexo oposto. Os transexuais devem ser diferenciados de outros transtornos de identidade sexual como o travestismo e o homossexualismo: os travestis costumam assumir vestuário do sexo oposto, associado a um comportamento homossexual ou bissexual, porém sem o desejo de troca de sexo; já o homossexualismo envolve estritamente atração sexual por indivíduos do mesmo sexo, sem desejo de vestir-se como o sexo oposto, ou mesmo de mudar de sexo.

Tanto os transsexuais quanto seus familiares encontram grandes dificuldades dentro de seu núcleo familiar, assim como no restante da sociedade, devido ao preconceito e desinformação com relação ao transsexualismo. “Os pacientes costumam encontrar problemas de adaptação em diversos meios sociais, como na escola ou na profissão”, diz a psicóloga Jaqueline Salvador da equipe multidisciplinar do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, “O indivíduo transsexual crê que é vitima de um acidente biológico, cruelmente implantado em um corpo incompatível com sua autêntica identidade sexual. Muitos solicitam operações de troca de sexo apesar dos sacrifícios que estas implicam. A cirurgia só está justificada em indivíduos motivados, com vida profissional e social estável”, continua a psicóloga.

Quem deve fazer a cirurgia?

Jaqueline Salvador revela que há, atualmente, uma procura cada vez maior de indivíduos que pleiteiam a redesignação de sexo, com base na resolução número 1.482197 do Conselho Federal de Medicina (CFM) de Setembro de 1997 que autoriza em caráter experimental a realização de transgenitalizaçao em transexuais. O Hospital de Clínicas de porto Alegre atende atualmente cerca de 80 pacientes com transtorno de identidade de gênero de ambos os sexos. De acordo com a psicóloga, “os pré-requisitos para os candidatos à cirurgia é que a seleção dos pacientes obedeça à uma avaliação ponderada e multidisciplinar dos candidatos ao procedimento, comnstituída por uma apreciação integrada das investigações clínicas, comportamentais, existenciais e sociais, por médicos psiquiatras, cirurgiões plásticos, psicólogos, endocrinologistas, otorrinos, fonoaudiólogos e assistentes sociais.”.

A interdisciplinaridade é especialmente necessária na decisão da conduta cirúrgica de conversão sexual. Os principais critérios são: dois anos de acompanhamento conjunto, com comprovação da idade, maior de 21 anos, consentimento formal, ausência de transtornos mentais e características físicas inapropriadas para a cirurgia. Ao psicólogo cabe a avaliação do candidato transsexual na comprovação de seu gênero, distinguindo-o do homossexual e do travesti. O paciente deve submeter-se a um tratamento clínico de no mínimo dois anos, preparo e conscientização do processo pré e pós-operatório e a ressocialização do indivíduo nos parâmetros psíquicos, sexuais e profissionais. O diagnóstico deve ser preciso, definindo as intervenções mais adequadas às características do paciente com propósito terapêutico específico de adequar o sexo biológico ao sexo psíquico.


E depois da cirurgia, como é?

“O paciente transsexual vive em estado constante de infelicidade antes da mudança de sexo. Só vai esquecer sua miséria depois da operação de conversão e após assumir a identidade feminina em nome, roupa e aceitação social. Não é apenas a sexualidade frustrada, mas a dilacerante angústia de desarmonia de gênero que o torna um sério candidato a auto-mutilação, tentativa de suicídio ou o próprio suicídio. O alívio falso adquirido do álcool e das drogas não é uma complicação infreqüente”, escreve o Médico Harry Benjamin em seu livro The Transexual Phenomenon, ainda não publicado no Brasil. “Auto-mutilações não são uma raridade em pelo menos quatro de meus pacientes de um total de 152 transsexuais masculinos. Dois deles tentaram castrar-se mas tiveram de desistir e chamar um médico. Um deles conseguiu com a ajuda de um amigo. Um mutilou o pênis e recebeu vários pontos para consertar o estrago. Muitos incidentes foram relatados e, ainda, mais podem existir por aí” relata o livro. Isso nos Estados Unidos. No Brasil, casos semelhantes aconteceram. Como o famoso caso do rapaz do interior do Rio Grande do Sul, que decepou o pênis no quarto de um hotel na cidade de Erechim e depois faleceu por complicações da mutilação.

O que dizem os médicos?

Para o coordenador da Unidade de Mudança de Sexo da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, em São Paulo, o médico Carlos Cury, em entrevista através de e-mail, não existe nada provado sobre a causa do transsexualismo: “Assim como as outras disforias, a medicina, apesar de adiantada em muitos setores, se encontra atrasada em outros. Há ainda polêmica sobre o número real de genes do corpo humano. Pensava-se serem 1000.000 inicialmente, depois acharam que seria em torno de 30.000 e hoje se especula que sejam em torno de 21.000. Quando descobrirem o número real de genes, irão estudar a responsabilidade de cada um para cada doença orgânica e verificar se há ou não ligação com a genética. Só depois se estudarão as doenças comportamentais. Enquanto isso não ficar esclarecido, tudo são hipóteses, teorias, suposições sem evidencias cientificas. Portanto, para cada 40.000 nascimentos, nasce um transsexual masculino e para cada 1000.000 mulheres nasce um transexual”.

No livro Transexual Phenomenon, (disponível na Internet) Harry Benjamin escreve que “as causas do transsexualismo e as possíveis fontes das quais o desejo de mudar o sexo surge são provavelmente controversas. Há somente um começo de um tipo de investigação cientifica que levam em consideração mais do que os aspectos meramente psicológicos. A possível origem do transexualismo não é discutida na literatura medica muito frequentemente ou em muito detalhe. Na maioria das vezes, há a simples afirmação que a causa é desconhecida. Quase invariavelmente ela está ligada com o travestismo e às vezes com a homossexualidade, ambos abrindo portas para a controvérsia. As duas teorias principais estão preocupadas ou com causas orgânicas, isto é, biológicas não necessariamente herdadas ou – muito mais frequentemente – com as puramente psicológicas”.

A Igreja?

Certamente, os transsexuais não podem obter cargos religiosos e o Vaticano exige a expulsão de suas ordens os que tenham mudado de sexo. O cardeal Eduardo Martinez Somalo, prefeito da Congregação Vaticano para os Religiosos, assina um documento, diz o site Terra, no dia 31 de janeiro de 2003, que elimina qualquer possibilidade de transexuais praticarem a vida religiosa em ordens eclesiásticas. Ainda, pelo texto, os padres não poderão alterar as certidões de batismo para adequá-las à mudança de sexo de um fiel, nem autorizar o casamento deste uma feita a mudança de sexo. Terra ainda cita Joseph Ratzinger, então prefeito da Congregação Vaticano para a Doutrina da Fé. A Igreja é taxativa. Não!

A posição da Santa Sé sobre o assunto significa que a Igreja já enfrentou casos de transsexualidade entre seus membros. “Devido à complexidade e delicadeza da questão, pede-se a todos os destinatários que mantenham esta carta e a nota da Congregação para a Doutrina da Fé sob o máximo sigilo e que a utilizem exclusivamente dentro de seu instituto ou sociedade religiosa, com os objetivos indicados”, enfatiza o documento.

“O membro de um instituto religioso, de uma sociedade de vida apostólica ou de um instituto secular que se submeter a uma cirurgia para a mudança de sexo deve ser expulso de sua casa religiosa, pra o bem das almas”, diz a carta assinada pelo monsenhor Martinez. “No que diz respeito à condição sexual de um fiel, o que conta é a inscrição feita originalmente nos registros paroquiais diocesanos. Portanto, inclusive em casos de mudança de sexo via cirurgia ou de mudança de sexo aceita pelo registro civil, nada muda na condição canônica inicial”, acrescenta o documento.

Sobre a admissão de um transsexual na vida religiosa, a negativa do cardeal Ratzinger é absoluta. “Quando uma dúvida prudente quanto à presença do transexualismo surge devido a atitudes exteriores evidentes e testemunhos daqueles que são responsáveis pela formação dos candidatos, o superior deve exigir uma visita médica e psiquiátrica”, diz o prelado. “O candidato não será aceito nem em caso de dúvida, quando não se pode garantir uma identidade plena e clara”, acrescenta. O Vaticano proibiu recentemente o acesso de homossexuais ao sacerdócio.

A lei brasileira?

O médico Carlos Cury, de São José do Rio Preto, diz que “como o código cível/penal brasileiro é de 1940 e os estudos e técnicas utilizados são recentes, não houve ainda mudanças na legislação. Não existe lei ou regulamentação para a legalização da cirurgia do ponto de vista jurídico, inclusive trazendo problemas para o transsexual na regularização de seus documentos. Existe, contudo, na área jurídica, vários profissionais especializados com diversas liminares e vitorias favoráveis aos transexuais já operados.

Quanto à integração na Sociedade?

Superados todos os trâmites legais, é a sociedade quem dá a última palavra. Os casos de transexuais plenamente integrados são raríssimos. Na maioria das vezes, a contradição entre a aparência física e o nome registrado oficialmente fecha as portas para conseguir um emprego normal. Por isso, muitos destes homens e mulheres que conseguiram mudar a aparência que a natureza lhes furtou, a única saída é prostituição ou, no melhor dos casos, o mundo do espetáculo. Só uma minoria consegue chegar a um emprego satisfatório e incluso, e a refazer sua vida sentimental. Carlos Cury constata que “a maioria dos nossos casos operados apresentam um euforia que consideramos prejudicial, uma vez que depois da cirurgia as dificuldades da vida continuam as mesmas. Nenhum príncipe encantado vai aparecer para mudar a vida da pessoa, pelo contrário, livre das amarras, ela (ou ele) terá que ralar como qualquer outra pessoa.”

Nossas mulheres do começo da história?

No dia 12 de abril eu me operei no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Fiquei oito dias internada. Foi bem doloroso e sofrido. A recuperação é lenta. A sensação de liberdade que se tem depois da cirurgia é indescritível. O sonho de uma transsexual é se operar. A medicina e a ciência estão tão avançadas que elas conseguiram realizar um sonho. Hoje, eu estou completa fisicamente. Eu tenho orgulho de ser uma transexual operada porque eu sei quanto eu batalhei para conscientizar as pessoas que a gente merece ser respeitada. A cirurgia foi para mim uma grande vitoria. Hoje eu me aceito. Apesar de eu ter feito mais duas cirurgias reparadoras, isso não me entristece. Acredito que quando sair minha documentação eu vou estar mais completa e vou viver cada vez melhor”. Vivian Proença.

Depois da cirurgia, não precisei mais me esconder. A expectativa é muito melhor do que antes. A vida, tudo muda. Eu tinha um monte de preconceitos. Havia coisas que eu não fazia. Depois que eu consegui isso, tudo é fácil. Eu consegui fazer uma modificação de 360 graus em minha vida. É claro que a gente nunca chega à perfeição. Eu dizia que antes da cirurgia eu estava em condicional, depois da cirurgia, eu estou livre. Eu vivia num casulo. Agora eu sou uma borboleta. Palavras não conseguem exprimir o que eu sinto”. Fernanda Rodrigues

Hoje, passado um ano (2005) e quatro meses, sou a pessoa mais feliz do mundo pois sou o corpo, a alma e a mente feminina. O meu maior prazer foi sentir orgasmo ao ser penetrada. Gozar é ótimo. Hoje eu posso dizer que eu sou muito feliz”. Amanda Sampaio



Nota 1: A psicóloga Jaqueline Salvador, do Protig, atualiza os números: Ela nos informa que dos "243 pacientes atendidos pelo nosso serviço, destes, 80 já realizaram a cirurgia de redesignação sexual" Setembro 2009.

Nota 2: Novidades no PROTIG: SUS vai incluir na tabela de procedimentos as cirurgias para Transsexuais. Junho 2010.

Nota 3: Veja aqui uma avaliação pós-cirúrgica de dois irmãos transsexuais.

Qualquer Dia do Mês

Dou Graças aos Céus pelo transporte coletivo urbano pois facilita a minha vida imensamente. Ocorreu-me, assim como a Machado de Assis em 4 de Julho de 1883, listar alguns pontos, cinco precisamente, que pretendem pôr em ordem o excesso de democracia nos ônibus.

Art I – Das Entristecidas
As entristecidas e deprimidas não deverão comentar com a amiga, essa que conseguiu sentar-se ao meu lado, assuntos oriundos de sua vidinha pacata e modorrenta e banhada de fuxicos insignificantes. Afinal, não é sempre que as pilhas do meu “walkman” estão boas.

Art II – Dos Bonitões*
Aos rapazes bonitões, cabe avisar que é expressamente proibido encostarem suas coxas fortes e energéticas, mais yang, nas minhas que são mais yin, quando conseguirem um lugar próximo a mim, sob pena de suscitarem comportamento incôngruo com o ambiente coletivo do veículo. Estou avisando.

Art III – Dos Mal-humorados
Aos mal-humorados sugiro que permaneçam em seus leitos e que não ousem sair de seus casulos pestilentes a espalhar veneno, poluindo o prana que inalo e que uso para me manter vivo.

Art IV – Dos Velhinhos Cororócos.
Seria de bom alvitre que os velhinhos cororócos permaneçam em suas cadeiras de balanço em seus pátios, com seus netos de cinco anos de idade, a reminescer sobre o que poderiam ter feito com suas vidas e não o fizeram, do que virem tomar a minha poltrona predileta às sete horas da manhã.Tenham dó! O banco abre às dez.

Art V – Dos Motoristas e Cobradores
A estes está vetado o intercâmbio de informações pertinentes à sua profissão, com um palavreado típico iningulível para gentes que se acham, e que devido à distancia do assento do motorista e do puleirinho do cobrador faz com que nós, os passageiros, fiquemos a indagar o porquê de tudo isso. Mantenham minha mente livre e meus ouvidos a salvo.

Os outros cinco artigos, deixo à imaginação do leitor, que tenho certeza, tem tanta essência quanto os meus para complementá-los.



*Para quem não sabe, o autor é gay assumido (e pronto!)

Enfim Erechim

Enfim

Enfim Erechim
Cidade de tantos encantos
Barrancos, nem tantos assim
Coesa, proeza, maroteza
Arquitetônica, marfim, Eu vi.
Escondo-me por detrás dos teus sonhos
Carmim. Senti.


Meto meu bedelho, pentelho
Na vida do Coelho e desejo resposta, assim.
Vivi. Pouco me interesso sim
Se o Zé do Uruguai tem filho,
Filha, amantes, enfim. Ouvi.

Ah, daí surge o outro que vai à
Suíssa para uma reunião.
Não fez mais que a obrigação.
Para o Bem da Nação? Sonhei.

Pobre enfermo. 
Quando tu apareces,
Proves do fel. Digas que não és um
Homocida, trucida, torcida, lúcida e
Publica tua vida para ser varrida
Por olhos comida e repartida
Enfim, Erechim, bem assim
Ufa!

Je Ne Sais Quoi às Palavras

Falácia
Trácia
Mácia
Cássia
E assim se foi...
Hermeneuta
Terapeuta
Também se dissipou
Traquinagem
Badinagem
Supernagem
Que horror à junção!
Plúmbeo
Trúndeo
Cúndeo
Gente, empaquei!
Agora,
Defenestro,
Defenestras
Que defenestração!

O Supra-Sumo da I-nação

Na América Latina, um povo peculiar se desenvolveu PLACIDAS – Povo Letárgico ao Caminho Inexóravel da Alegria Subjetiva.

Bem-vindo ao Brasil e conheça o PLACIDAS. Não confunda com as famosas margens do Ipiranga. Essas são utópicas, mas o PLACIDAS é bem real e tem um história de 500 anos legada por Pero Vaz em sua carta ao El Rey de Portugal.

O PLACIDAS hoje não mais reage, obedece e faz. Nunca reagiu. Sofre quieto. Ousa reclamar, mas não é ouvido. Enfim, está quase perdido. Sim, poderia fazer melhor, mas não quer. Prefere receber sem se levantar.
Use e abuse de suas verdinhas mas deixe as crianças em paz. Compre até desmaiar. Relaxe e goze e sinta o tempo passar.

Nos jornais, Malufs, Barbalhos, Estevãos e Lalaus assustam só com o olhar (05/09/01). É claro, o PLACIDAS não parece se importar.

Venha e traga a sua empresa, maquie produtos e depois veicule nota em jornal: “não diminui o peso, diminui o preço, por favor”.

O PLACIDAS, é claro, nem um piu. Ah, sim, as donas de casa da televisão. Elas, meu filho, são apenas ilusão.

O PLACIDAS, parece-me, agora está a despertar, e no dia da independência a se perguntar: independência do quê? Nada, concluí-se. Afinal, foi tudo vendido, até sua alma pertence ao além-mar.

Porto Alegre Welded in me

Welded to my being.

When looking at the walkers along the Guaiba shore, I imagine the life history of each and everyone of the passers-by: that one must be a doctor, watch the aura of self-importance around him. It looks as though he is thinking about that difficult clinical case which is gnawing at his soul; that one is a homemaker, watch how she walks resolutely so as to shed the adiposity in her tummy, a reflex of the brewing emotions in a cauldron; that one, wedded to a tycoon, runs miles to keep a flawless body, in a vain attempt to keep youth about her which, fleeting, stubbornly escapes her reins.

Stories which are part and parcel of the people who all along two hundred years make up the muscles and lymph of Porto Alegre. Porto Alegre, ever wide, opens her arms to the hordes of immigrants who, with hopeful eyes, come to the city for new beginnings and, like me, newly-arrived, I feel I am part of the metabolism of this great collectivity and feel that I am inter-linked to the eternal walkers I bump into along the lakeshore.



Porto Alegre (em Mim)

Fundida no meu ser. Ao observar os caminhantes ao longo do Guaíba, imagino a historia de vida de cada um dos passantes: Ah, aquele é médico, veja a aura de auto-importância ao redor dele. Como parece estar pensando sobre aquele caso clínico que lhe corrói a alma; aquela outra é dona-de-casa, veja como anda com afinco a fim de eliminar o excesso de adiposidade em seu ventre, reflexo das emoções borbulhantes como que num caldeirão; Aquela, desposada por um executivo, corre milhas para manter o corpo impecável, numa tentativa de manter a juventude, que célere teima em escapar a seu domínio.

Histórias contidas no íntimo destas pessoas que durante esses duzentos e tantos anos, forma a musculatura e a linfagem de Porto Alegre.
Porto Alegre, sempre ampla, abre seus braços às hordas de imigrantes que com olhos esperançosos, vêm à cidade para novos começos e, como eu, recém-chegado, já me sinto parte do metabolismo desta grande coletividade e sinto que já estou interligado aos eternos caminhantes que encontro à beira do lago.
Enhanced by Zemanta

Wednesday, August 12, 2009

On the Mass Media and Pandemics

The Media has the Power to affect people especially when it comes to pandemics and such. It is like saying that the media sway(s) public opinion.

What’s interesting to analyse is how people take in the information and how they digest it. How they put it to use. I’m talking about the H1N1 and how it affects the way people go to hospitals wearing mask to avoid acquiring the mutant virus.

Hospitals are infection sites in their very nature. Should you wear masks every time you go visit someone? Since public opinion is so affected, it would behoove us to ask whether in other examples of serious debate, the media affects the results. Would Joe/Joanne Doe be ready to think without a little help from the Fourth Power?


Sobre o Impacto da Mídia e Pandemias

O impacto da mídia nas pessoas é significativo quando falamos de pandemias ou coisas do tipo. É equivalente dizer que a mídia influencia a opinião pública.

O que é interessante é como o receptor recebe as informações e as processa. Como ele as põe em uso. Refiro-me ao H1N1 em que as pessoas agora ao irem aos hospitais usam máscaras para se proteger do mutante vírus.

Imagino que os hospitais sejam locais “nucleares” com relação a infecções por natureza. Uma vez que o opinião pública é assim atingida, é mister que nos perguntemos se em outros exemplos de debate premente, os meios de comunicação afetam o resultado das coisas.

Estaria o povo apto para pensar por si só sem a (uma) mãozinha do Quarto Poder?

Monday, August 10, 2009

On Body Language and its Inevitability.

National Geographic Afghan Girl
When we write we tend to jot down what is foremost in our mind. Where does it come from? Outer Space? I don’t know. We are able to tap into hidden crannies in our "brains" that retain information for later use or to be later manifested.

Or maybe, we log on toThe World of Ideas of Plato. The subconscious.

Sometimes, we get to see parts of our Being that wants to be in evidence but cannot do it explicitly. Life makes use of subtle antics to manifest itself. I think that when we write or say something, we always reveal a little bit of ourselves, like a footprint, on the Path.

As is with body language that will show when when we are doing that job interview. The best of actors will not conquer it. Self-control will not be enough.

Eyes are windows, too. Souls are revealed through the eyes. Watch, if you can, your eyes…



Saturday, August 8, 2009

On social change

That is precisely why we need to overhaul our educational system, and our society at large. Why don’t we start by “recalibrating” our cultural industry: smart lyrics and not the “bitch, babe, kind of crap” prevalent in imports.

We have got to invest in our country’s imaginary. We need a hero. Not a hero from the soccer fields, or car racing. We need a hero for all the nation.

Another world is possible runs the motto of the World Social forum. Of course it is. It takes some time, we admit. However, we will have to take the first step. If in our Power capital the status quo is indigest, it is chiefly because we want it so.

Why don’t we take to the streets as is the example in one of neighbor countries? Why do we take this crap from these ill-intentioned people? We have to remember that the most advanced countries in the world are not immune to this kind of distortion. Rogue elements are part and parcel of every group and cluster of people, of living organisms. It’s in nature. Do we want to get rid of them?


Sobre Mudança Social

É por isso que precisamos uma reforma na educação, nos lares, na sociedade em geral. Quem sabe recalibramos também a indústria cultural: música com letra inteligente, e não "boquinha de garrafa" como há por aí.

Há que se fazer um investimento no imaginário do país. Precisamos de um herói. Não um herói do estádio, ou da formula um. Um herói para toda nação. Um outro mundo é possível diz a frase do Forum Social Mundial. Claro que é. Demora um pouco, aceitamos. Temos que dar o primeiro passo. Se no centro do poder a coisa está indigesta, é porque permitimos.

Por que não saímos às ruas em panelaço como fazem num destes países aqui pertinho? Por que levamos estes desaforos destas gentes que procuram sabe-se lá o quê? Temos que lembrar que nos países mais avançados do planeta há amostras disso que experienciamos aqui. Elementos com más intenções estão por toda parte. Como nos livrar-mos deles?

Friday, August 7, 2009

On Voting This or That Person Into Office


Why do we vote people into office?

Because of the pressure of advertising and because we must vote in this country if we want our lives to run “smoothly”.

Imagine that for you to be able to regularize one of our foremost identification papers, what we call *CPF, we need to present our voting card. Imagine that.

If one of the Seven Deadly Sins, Greed, has decided to make its presence known through politics, what is there for us to do, except cry for help? I’m rather cynical when it comes to politics. “It’s the economy, stupid” says one American president.

Well, when the economy rules there is nothing we can do. Or is there? We might want to colonize another planet, terraform it and everything. However, we will want to leave our human nature behind.




*CPF: 


A document that is used for various things in Brazil, from joining a video club through to your individual tax registration, is the CPF, Cadastro de Pessoas Físicas (Registration of a Physical Person).

Thursday, August 6, 2009

When Women Have Power/Quando As Mulheres Têm Poder

Quando mulheres são postas à prova ou têm de enfrentar uma situação controversa e estas mulheres recebem o apoio de outras, fica muito difícil lançar mão de argumentos fortes para fazer uma análise mais crítica. No entanto, temos visto no Brasil que algumas mulheres parecem prosperar na parte menos nobre da política, especialmente onde há dúvida sobre o virtuoso manejamento do dinheiro público. Vemos isso, claramente, na imensidão do país. Por que algumas escolhem seguir um caminho já bem pisado e que sabem já não rende mais dividendos? Fica claro que à medida que a população cresce e acessa os meios de comunicação, a opinião pública arregaçará suas manguinhas e exigirá uma explicação sobre isto ou aquilo. Pessoas que têm esta responsabilidade com a população, têm que ter consciência que elas não fazem para si, mas para seus descendentes que ficarão para sempre respingados com uma sujeirinha cometida por um ancestral. Os livros de história são nada simpáticos aos tiranos e/ou aproveitadores.

When women are put to the test and have to face a difficult situation and these women have the support of other women, it is hard to find arguments for a more critical analysis. Nonetheless, as we have seen, here in this part of the world, some women seem to be thriving in that not so noble part of politics, especially when the proper management of public funds is in doubt. In the vastness of this country, that can clearly be seen. Why do some women choose the beaten track of distorted politics if they know that nowadays this will not prosper? It is obvious that as the population gains more access to the media, public opinion will roll up her sleeves and will demand and explanation be it hot or cold. People who are responsible for the population, must bear in mind that they are not causing themselves a great deal of heartache but to their descendants as well. These will be forever tainted by a moment of avidity. History books, we know, are hard on those who tyrannize or take advantage of the weak.

Wednesday, August 5, 2009

Solidão/Loneliness


Solidão e como ela nos faz agir como tolos. Também nos faz andar léguas e estar sempre no mesmo lugar. Incrível. Considere, por exemplo, as casas noturnas de nossa cidade todas cheias de almas à busca de algo, que não acham, mas teimosas cutucam até sair. Qualquer coisa. Os corpos falando, digo, implorando com sua linguagem inexorável, a atenção que não vem. Tirana atenção. Não sabemos que ela já tem endereço? Claro, vai a quem tem menos de quarenta anos. Não perceberam? Já percebi que ao chegarmos aos quarenta, nos tornamos invisíveis. Adereços encostados nas paredes. O quadro O Grito de Edvard Munch ilustra tudo fielmente. Relegados ao museu.

Loneliness makes you stupid. Also, it makes you walk for miles and never move an inch. Amazing. Consider night-life in my hometown. Bars packed to the rafters with souls in search of whatever, that cannot be found, but stubbornly they trudge on. They will keep on knocking until whatever answers. Bodies talking, rather, begging with their unflinching language, the attention that will not come. Attention is a bitch. Do we not know it is spoken for? Surely, it will go to the under forties. Haven’t you noticed? I have. When you reach your forties you become invisible. Mere wall paintings. The Scream by Edvard Munch says it better. Museum bound.

Tuesday, August 4, 2009

On One's Origins

We all hail from somewhere. I did.


I was born and raised in the interior of Rio Grande do Sul in a small, “provincial” town to the north of the state.

I learned a great deal when forced to live out my Karma in that unforgettable urban agglomeration.

I used to live and work with wonderful people I find hard to forget (they are in my heart). As is the norm, people who are “different” have no place in the conventional set-up and find themselves misunderstood. I experienced that to the hilt. Torture even.

However, people I had the privilege of interacting with professionally and in friendship could only have hailed from another planet. Many raised their voices to put in a good word for me. I miss them.

How many have I taught the rudiments of English to?

I don’t miss the others. To them I say: My karma has been paid off.






Sobre Nossas Origens

Todos viemos de algum lugar.


Eu vim. No plano físico, nasci no interior do Rio Grande do Sul numa pequena, provinciana e, talvez, simpática cidade ao norte do estado.


Lá cresci e aprendi muitas coisas. Conheci pessoas fantásticas (habitam no meu coração) e prosperei. Como todos vão lhe dizer, pessoas que nascem “diferentes” não têm lugar no convencional local e estas pessoas se sentem presas e talvez mal-compreendidas.


Ora, senti isso na carne. Aliás, era uma tortura. As pessoas com as quais tive o privilégio de conviver diariamente como profissional e outras, com laços de amizade, só podiam ser de um outro planeta. Muitas levantaram a voz para falar bem de mim. Sinto falta deles. A quantos ensinei o verbo “To Be”?


Dos outros não. A estes eu digo, karma pago!
Enhanced by Zemanta

Monday, August 3, 2009

On Prejudice

Prejudice and how to get rid of it. We can’t. It is ingrained.

We, educated human beings at least, conceal what we feel under a veneer of civilization. We do not let it flow. When discussion starts, we recoil, voice inwards, to just listen. When we see on TV attacks on gender, race, religions and other stuff, we feel a pang. Prejudice is hard to uproot. Bad.

Fortunately, we cannot turn the world into a blond, blue-eyed, utopian society, heterosexual to the power of 10 and with beliefs that gravitate towards the installed monolithic blocks we know in our half of the world. However, we notice changes happening in local supermarkets, credit card companies, hotels that have started to see the “other” as a consumer.

It was about time.


Preconceito

Preconceito e como nos livrarmos dele. Não podemos. Já está enraizado.

Nós, seres humanos educados pelo menos, mantemos o que sentimos sobre isto ou aquilo embaixo de uma camada bem grossa de verniz civilizatório. Não deixamos fluir. Quando a discussão começa, diminuímos a voz, nos encolhemos e ouvimos.

Ao vermos na TV inegáveis afrontas ao gênero, raça, religião, sentimos uma pancada. Preconceito é difícil. É ruim. Infelizmente, não conseguimos transformar o mundo em uma sociedade utópica, loura de olhos azuis (ariana?) heterossexual na potencia 10 e com crenças que gravitam a este ou aquele bloco religioso monolítico já instalado(s) no Ocidente.

Fico feliz, contudo, que algumas redes de supermercado, companhias de cartão de crédito, hotéis, já veem o “outro” como consumidor. Ainda bem.

Sunday, August 2, 2009

Sobre escrever blogs/ On writing blogs

Viva à tecnologia! Com ela, agora podemos escrever blogs e nos sentir importantes. Outra coisa, temos que importunar nossos amigos para que achem um tempinho e ler o que escrevemos - que pode ser interessante, ou não. Claro que eu sei que nem todos na nossa lista têm acesso rápido a internet ainda ou estão bem familiarizados com a novidade. Temos que ser pacientes e aguardar até que a febre se espalhe. É como o Orkut ou o Facebook. Uma horinha todos fazem um perfil e se dedicam à tarefa de procurar aquelas pessoas de 20,30 (chega!) anos atrás. Eu achei.

Kudos to technology! We’re now able to write blogs and feel good about it. There’s more, we have to “importune” (notice the word I used) our friends to find time to read what we write - which can be interesting or boring. Of course I know that not everyone in our mailing list has broadband or is familiar with the novelty. We gotta be patient and wait for the blog fever to catch on in our neighborhood. It is just like Orkut or Facebook. We all catch up with them and start looking for folks we used top know some 20, 30 (I draw the line here) years ago. I have.

Saturday, August 1, 2009

Plasma/LCD - Qual comprar/Which to buy?

Plasma or LCD? Dilemma, I know. Now when you are out to the store to get one and if you are lucky enough to get an assistant who is eager to help, he or she will say that the technology has been around for years. Since 1963 LCD, 1964 Plasma. Difference, you ask? Plasma screens emit light in each spot of the screen on account of the gas cells and the LCD have “backlights” which give life to the screen. Which to buy? LCD is pocket-friendly – less energy. By the way, the both of them have prons and cons. Don’t let my ramblings sway you one pixel. Purchase (if you like TV that much) whatever is pleasing to your senses. Or, alternatively, go to you to your rich friends’. Don’t forget to surprise your buddies with that nice bottle of red…

Plasma ou LCD? Eu sei que quem se dá a este luxo já se fez esta pergunta. Claro que o vendedor da loja vai tentar se mostrar solícito e vai nos dizer que a tecnologia já existe por aí desde 1963 LCD e 1964 Plasma. Diferença? As telas de plasma emitem luz em cada ponto da tela por causa das células de gás e a telas de LCD funcionam com “backlight”, uma luzinha atrás da tela.Tá, e daí, qual comprar? LCD é mais barato consome menos energia. Aliás, as duas têm prós e cons. Não me deixe lhe influenciar um pixelzinho sequer. Compre (se é que você adora TV tanto assim) a que melhor lhe aprouver. Ou vá a casa da amiga rica. Ah, seja chique, ao ir aos amigos, leve a garrafa de vinho, pelo menos...